sexta-feira, novembro 23, 2007

Pelas sombras

Pelas sombras

Há uma sombra em cada esquina
Onde quero me esquivar
Da claridade de ruínas
Vil, pujante a incinerar

Nesse bairro que se perde
O horizonte a espreitar
Linhas largas que se estendem
Onde a mente ambicionar

As suspeitas que se nutrem
Por de trás de tantos morros
Que se erguem em meu caminho
São meu ponto de socorro

Que me inundam a vista adentro
Verdejando-me as idéias
Florescendo-me os desertos
Açoitando-me as Medéias

No frescor dos teus escuros
Quero me fazer presente
Comungar de teu alento
Que minh’alma em ti assente

Ao pé duma copa altiva
Ouço crianças a brincar
Quero respirar a vida
Nos veículos a passar

Em meios-fios me perco
Vento morno a me levar
Nesse bairro onde há sempre
Terno oásis pra pousar.

Nenhum comentário: