terça-feira, agosto 12, 2008

bicho

...vagueando na hora clara,
mostro os dentes na selva-guache.
cai o sol, caem minhas asas, aí rastejo
lambendo o chão, arenito de espasmo.
vou hibernar a imagem sabida - infração da juventude
que sou bicho a violar o evento,
às favas toca a fora!

não se metam no meu casulo,
se me meto no meu silêncio,
que o ronronar que ressona coberto
é meu instinto lendo atento
a linha do pensamento.

5 comentários:

Yara disse...

e somos bichos
a violar o vento

sou o cio
da feroz tigresa
e a pueril pelúcia

eu
instintatento

Bel Fonseca disse...

Show!!

Leandro Jardim disse...

bom esse, também!

pra comprar o livro, me manda e-mail para lsjardim@hotmail.com, que te respondo com minha conta. Aí você deposita e me avisa mandando o endereço, que eu autografo e posto no correio! Que tal?

beiJardins

Versos Insensatos disse...

O poema Vulto é bom demais, só pra registrar. Tenho descoberto uma literatura tão boa nos blogs... é inspirador mesmo, obrigado. vou ler com mais calma teus escritos. um abraço.

bossa_velha disse...

lindo! deixa eu te dizer: fazes poesia me tocando como poucos. leio, às vezes comento em alguns blogs de poesias, mas o que fazes é incrível. te juro, é lindo, é diferente. besos.