terça-feira, maio 03, 2011

lucidez

delírio:
foi-se

vi-te vitimado de uma velha foice
que despiu-lhe as vistas
de artifícios

elevou-o à seriedade
de pálidos edifícios

(quer enganá-lo com as seguranças da matureza)

de um só golpe
põe-te
sentado, limpo e escovado

nas linhas retas da palavra enxuta

- lúcido e cálido

sintagmas de hipotensão...

2 comentários:

Dani Pivatelli disse...

Ah! Adorei esse poema q tá na Maringá!
Bj

leila saads disse...

Uma vez achei meus poemas e textos lineares demais, pensei que estivessem muito 'masculinos' - a visão do masculino no senso comum - senti falta das mulheres nas minhas linhas. Talvez fosse o mesmo do seu delírio assombrado pela lucidez...

Gostei daqui!

Beijos!