terça-feira, abril 17, 2012

reféns do silêncio sabemo-nos
prisioneiros
do que não se deve
somente ao delírio entregues
do que não será
porque excede
padecemos cínicos
danados
e demasiado breves.

Nenhum comentário: