segunda-feira, maio 07, 2012

tua vaga
embaçada
lateja, doída
no meu entre

e eu que devia passar-te nulo,
quedei sonhando
a dança dos ventres,
tropeçada em fraquejos,
lampejos arquejantes,
obliviada e rústica
no desafio melado
da proibição.

Nenhum comentário: