domingo, julho 01, 2012

poesia, por Cláudio Daniel

"Ninguém ganha dinheiro com poesia. Também não é uma atividade que dá um status privilegiado. Pelo contrário, é uma atividade que te demanda tempo, te demanda dedicação, trabalho, inteligência e não te dá praticamente retorno nenhum. Por que nós escrevemos poesia? Porque temos prazer escrevendo poesia. "

"Numa época de extrema banalização da cultura, de banalização da informação, dos discursos, acredito que a poesia é também uma forma de resistência. Uma forma de resistência dentro da linguagem. Mesmo que o conteúdo de um poema não seja político, acho que a poesia é política na medida em que ela desafia a pasteurização, desafia a lavagem cerebral e leva ao leitor outros símbolos, outros discursos, outras formas e  sentidos que não estão presentes na indústria cultural."




No olho da agulha

Tatuar silêncios como formigas.
Afogar os relógios
numa pálpebra.
Vestir o grito com a pele
do escaravelho.
Torcer os músculos da face
em perplexidade.
Cruzar a via absurda
das unhas, desorientado,
obscuro, recurvado
sobre as nádegas.
Saber que toda flor é ridícula,
e mesmo assim cultivar
o minério,
a dor,
a surda epilepsia.
Esquecer o próprio nome,
e sovar a terra
até a exaustão.
(Fosse apenas uma canção de colheita,
você diria amor e outras
palavras fáceis.)
Com o riso estúpido do camelo,
viajar ao olho
da agulha,
labiríntico, insano,
acreditando que toda história é um ácido.
Depois cauterizar a ferida,
aceitar o reflexo,
o simulacro,
lembrar-se
da semente antes do pão.
Tayata gate gate
paragate parasamgate
boddhi soha.

Um comentário:

Tati disse...

É, apesar de saber que o poeta escreve porque ama a poesia, eu tenho essa vago sonho de que ele devia ser pago para fazer só isso. Mas enfim... Bela fala a do Cláudio Daniel e belíssima poesia.
Line, eu passo aqui sempre, mas como te disse, sou uma leitora demorada de poesias, então copio e fico lendo aos pouquinhos.
Mas continua postando sempre, porque são lindas!
Beijos
Tati