terça-feira, agosto 07, 2012

Ven(en)us

Venus e Adonis - Abrahan Janssens

Der
r
amo

pelas bordas,
incapaz de fazer-me espera.

Contingente, debulhada -
Safo, Ariana,
as cartas secretas de Mariana...

Escrevo a febre expurgada
na entrelinha silente
que nos ata.

Meu mistério evidente:
sede cega, furiosa,
fome de um corpo semente
que se abre Nepenthes -
venérea, irada...

Ven(en)us...




Um comentário:

igor disse...

mais um belo poema! você anda inspirada...